Ferramenta para checar o preço dos combustíveis no Brasil

Tem sido bastante discutido na mídia em geral o aumento dos preços dos combustíveis, que já chegou aos consumidores. É também bastante notória a diferença de preço dos combustíveis entre os postos de gasolina das capitais brasileiras. Aqui na OPC temos tentado ajudar os leitores publicando ferramentas que possibilitam tanto o abastecimento consciente (útil para quando se possui veículos com motor Flex.  Veja aqui um artigo ainda mais extenso sobre o assunto), bem como para o seguimento detalhado do consumo do veículo, seja com planilhas do Excel ou utilizando aplicativos de celular.

Hoje vamos mostrar para vocês dois sites que possuem bastante interessantes, ambos com o mesmo ambicioso objetivo: fornecer para você o preço dos combustíveis nos postos de abastecimento de qualquer cidade do Brasil de forma sempre atualizada. É o GuiaPostos (http://www.guiapostos.com.br/) e o PreçoDosCombustíveis, (http://www.precodoscombustiveis.com.br/) ambos brasileiríssimos (note que no exterior existem iniciativas parecidas,).

Vamos observar suas características principais:

1- Comparação entre os sites

Comparativo entre sites abastecimento

Comparativo entre sites abastecimento

  • Ambos possuem um sistema de localização dos postos por “caixa de busca” ou por mapa.
  • Ambos estão relativamente atualizados. O PreçoDosCombustíveis usa uma base de dados forneceda pela ANP (Agência Nacional de Petróleo), atualizada semanalmente. O GuiaPostos também, mas não apenas. Os usuários solícitos que quiserem participar de maneira colaborativa, indicando o preço que está indicado nos postos que esteve recentente.
  • Ambos são muito intuitivos e fáceis de usar.

2- Principais diferenças

  • GuiaPostos, além da utilização via navegador, também apresenta uma versão em forma de app para iPhone, iPad e smartphones Android.
  • PreçoDosCombustíveisoferece uma ferramenta de geração de Widgets, para colocar no seu website ou blog uma lista com os melhores preços de combustíveis da sua cidade.
  • GuiaPostos fornece ao usuário a preciosa informação do número de vezes que o posto foi autuado pela ANP. Ou seja, péssima idéia abastecer lá (ainda que o preço pareça convidativo.
  • No GuiaPostos, clicando em mais informações (veja aqui um exemplo) ele também apresenta para o usuário a oscilação dos preços do combustíveis daquele posto e para quem tem carro Flex, qual é o combustível mais econômico (considerando uma relação média de eficiência de 70% do motor).
  • O GuiaPostos também apresenta a média de preços dos combustíveis em um interessante gráfico (veja um exemplo na figura no final da página). Pode ser bom para ficar acompanhando.

3- Pontos fracos (sim, algumas coisas precisariam ser melhoradas em ambos)

  • Não aparecem postos de TODAS as cidades do Brasil. Isso acontece porque A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) coleta apenas uma amostra dos preços dos postos do Brasil, focando principalmente nas cidades mais populosas. É possível que com o tempo o tempo mais cidades sejam contempladas.
  • No O número de postos pela exibição no mapa é menor do que usando a caixa de buscas. Isso acontece porque cerca de 20% dos postos não são apresentados no mapa devido a falta de precisão geográfica (apenas os que estão com o endereço perfeito são mostrados). É possível notar uma clara diferença no número e na posição dos postos quando se compara um mesmo mapa em ambos sites também.
Media do preço dos combustíveis

Media do preço dos combustíveis nos últimos 52 semanas

Fica então uma nova plataforma de verificação de preços para aqueles cujas cidades estão contempladas pelos aplicativos. Toda vez que for fazer uma viagem mais longa você já poderá saber de antemão onde irá abastecer seu carro. Chega de problemas com combustíveis adulterados! Ou, se simplesmente estiver querendo economizar, faça uma consulta periódica em qualquer um desses dois sites antes de sair para abastecer. O bolso agradece.


8 importantes ítens para revisão do carro antes da viagem

A revisão do carro é uma importante tarefa que deve fazer parte da preparação das famílias que costumam usar seus próprios veículos nas viagens de férias. Para facilitar a vida dos leitores do OPC, compilamos abaixo uma lista de itens que devem ser verificados para aumentar a segurança da viagem:

  1. Checar o nível de óleo do motor, água (radiador e do pára-brisas), fluído dos freios e da direção hidráulica;
  2. Calibrar pneus;
  3. Trocar lâmpadas que estejam queimadas;
  4. Verificar o estado das palhetas do para-brisa (no verão chuvas são bastante frequentes);
  5. Certificar de que as ferramentas para a troca de pneus e o triângulo de sinalização estão no veículo;
  6. Olhar a validade do extintor de incêndio;
  7. Fazer a calibragem e verificação do estepe;
  8. Verificação de desgaste dos freios (em sua oficina de confiança)

revisao do carro para viagem de fériasSe o motorista faz as manutenções periódicas de acordo com as instruções do fabricante do automóvel, e se o prazo de validade da última revisão na concessionária autorizada ainda não está próximo de vencer, os cuidados acima sã suficientes para garantir uma viagem tranquila.

Sobre o óleo, é importante enfatizar que o motorista deve verificar se o prazo para troca (6 meses ou 5.000, ou 10.000 Km, dependendo do óleo utilizado) não vai vencer no meio da viagem. O indicado é trocar antes de sair para a viagem, sempre lembrando de trocar o filtro de óleo do motor também

Para maiores informações, sugerimos a leitura da seguinte reportagem, veiculada no portal R7.

 


Lubrificantes continuam sendo adulterados: olho vivo!

 

O óleo de motor sob testes

O óleo de motor sob testes de qualidade.

Há exatamente um ano foi veiculado pela impressa brasileira que de cada 5 lubrificantes vendidos nos postos, 1 é adulterado. Essa constatação se deveu à averiguação da ANP – Agência Nacional do Petróleo – que desde 2007 monitora a qualidade dos lubrificantes por meio do Programa de Monitoramento da Qualidade dos Lubrificantes – (PMQL). O programa continua em andamento e novos resultados já estão disponíveis (sua publicação tem sido bimestral, para mais detalhes, entrar nesse LINK).

A cada publicação, tem-se um relatório contendo ao seu final uma lista de lubrificantes (tanto para carros, como caminhões) que apresentaram irregularidades quanto à 3 quesitos: seu Registro no órgão, as informações disponíveis no Rótulo e quanto à Qualidade. Este último isto é um dos que mais interessa para o consumidor, pois permite saber o produto vendido é de fato aquele que está indicado no rótulo, e se não, qual é a irregularidade apresentada.

O relatório disponível mais atual é o do bimestre passado, de março a abril. Lá pode-se observar que a não-conformidade quanto à Qualidade, passados quase 1 ano da notícia ainda persiste (como pode ser visto na figura a seguir, observam-se índices menores, mais ainda próximos a 20%, como foi observado no ano passado). A boa notícia que é que em anos anteriores (2006/2007, por exemplo) esse problema era ainda maior,  atingindo de 26-47% dos óleos averiguados [link].

Porcentagem das amostras que não passaram no teste de Qualidade de óleos pela ANP nos respectivos meses de 2012.

Porcentagem das amostras que não passaram no teste de Qualidade de óleos pela ANP, nos respectivos meses de 2012.

Na maior parte das amostras com esse tipo de problema, observaram problemas na aditivação (“sem aditivação” e “aditivação insuficiente”, os mais prevalentes) ou na viscosidade do óleo (“viscosidade fora da especificação”). São exatamente os problemas que ninguém gostaria de ter no óleo de seu veículo: comprar gato por lebre. Chama atenção também a grande presença de óleos de especificação API quase obsoleta (SL em 14,2% das amostras, SJ 14,2% e SF 26%). Lembrando que está proibidas a fabricação (a partir de 07/03/2008) e a comercialização (a partir de 07/05/2008) de óleos lubrificantes para motor com níveis de desempenho inferiores a SF, por estarem obsoletos.

Ainda que o problema esteja diminuindo graças à vigilância do órgão, vale a recomendação de evitar as marcas por eles apontadas. Como pode ser constatado, a grande maioria das problemáticas são aquelas marcas menos conhecidas, que apresentam normalmente um custo menos elevado. É possível encontrar marcas famosas com problemas também, mas as salvo exceções são as de produção muito antiga. Assim, para prevenir problemas observe (ou pergunte ao frentista):

  • Se a data de validade do óleo não foi atingida.
  • Se a especificação API é pelo menos superior à SF
  • Se a marca do óleo é desconhecida. (Para conhecer algumas boas marcas, clique aqui)

Cuidado: o barato PODE sair caro. Olho vivo!


Como evitar formação de borra no motor?

Comparação borra do motor

Imagens comparativas de componente do motor em condições normais e com formação de borra. O comprometimento é evidente e pode levar em último caso à perda do motor.

Se você tem uma casa antiga com exaustor na cozinha, certamente já deve ter se deparado com uma espécie de sujeira pegajosa que costuma formar próximo às pás do exaustor, que se deve principalmente ao óleo de cozinha que se acumula e é oxidado com o tempo. Algo semelhante PODE acontecer com o motor do seu carro, se alguns cuidados não forem tomados. Essa é a formação da chamada borra no motor.

Por entupir a passagem do óleo e reduzir a sua circulação, a borra  também é conhecida popularmente como “colesterol do óleo de motor”. A borra se forma quando alguns cuidados não são seguidos, principalmente:

  • Condução do veículo em condições severas (com muitas paradas, percorrendo distâncias curtas ou em estradas empoeiradas)
  • Intervalos de trocas do óleo inadequados (muito longos);
  • Avarias mecânicas permitindo acúmulo de impurezas (Fuligem, Ácidos) e água;
  • Superaquecimento do óleo de motor.

Na presença de ar e do motor operando em altas temperaturas, obtém-se condições apropriadas para aumentar muito a oxidação do óleo do motor. Esse processo de oxidação aumenta a viscosidade do óleo e produz ácidos corrosivos. Se nada for feito, o óleo pode se degradar e formar uma substância pegajosa semelhante ao piche (veja figura acima). As empresas petrolíferas têm adicionado alguns aditivos que contêm poderosos inibidores de oxidação. Estes aditivos conseguem quebrar o ciclo de oxidação, mas são consumidos com o tempo. Se o prazo de troca não for respeitado mesmo assim podem acontecer problemas. Sigam sempre a informação do número de quilômetros recomendados para cada intervalo de troca. Se o tipo de uso for severo (tipo anda e pára, com distâncias curtas) é usualmente recomendado adotar períodos de troca de metade do tempo. As trocas de óleo regulares promoverão a remoção da fuligem acumulada e irá e “repor” o os inibidores de oxidação.

Embora qualquer motor possa potencialmente desenvolver borra de óleo, alguns modelos são mais propensos ao problema do que outros, devido a particularidades de cada projeto [veja nesse vídeo o caso dos veículos Gol, por exemplo]. Existe também a possibilidade de vazamento do líquido de arrefecimento do motor para o sistema de óleo. Se você perceber problemas com sua bomba de água ou de outras partes do sistema de arrefecimento do motor, leve ao conserto imediatamente.

Como identificar se já está havendo formação de borra no meu motor?

A formação de borra pode ser facilmente detectada observando-se a tampa e as partes metálicas da entrada de óleo do motor (veja a foto e o vídeo abaixo). Se nessa região estiver evidente acúmulo de resíduos aderidos às paredes, é um sinal de problemas em formação.

Como identificar a borra no meu motor? Procure por resíduos na tampa ou na parede da entrada de óleo do motor de seu veículo. Para mais detalhes veja o vídeo ao lado.

Meu motor foi atingido! E agora, como resolver o problema de borra do motor?

Se esse é seu caso, a solução vai depender da extensão de acúmulo de borra. Para responder isso é SEMPRE recomendado sempre fazer uma avaliação com seu mecânico de confiança.

Se for um caso simples, com acúmulo de uma camada bem fina, após algumas trocas simples de óleo (e de filtro) utilizando óleos convencionais ou contendo aditivos Anti-borra (como esse da Castrol, por exemplo), existe uma boa chance de ela ser removida pelo filtro de óleo do veículo (ou de pelo menos não aumentar). Aumentar a frequência de troca pode aumentar a chance dessa estratégia dar certo. Caso haja um comprometimento maior, com uma grande camada impedindo a circulação e funcionamento do óleo do motor será necessário a utilização de produtos específicos em um serviço feito especificamente em oficinas mecânicas, a preços nada convidativos, abrindo o motor. Em casos ainda mais graves (como a imagem que ilustra nosso artigo na página principal), pode haver sério comprometimento e muitas vezes a impossibilidade de reparo, sendo necessário trocar componentes do motor.

Óleo escuro indica necessidade de troca de óleo: MITO!

O óleo de motor moderno possui agentes detergentes que funcionam coletando minúsculas partículas fuligem e mantendo-as em suspensão. Essas partículas não representam qualquer perigo para o seu motor, mas fazem com que o óleo fique escuro. Se usássemos um óleo sem detergentes teríamos um óleo mais claro, contudo toda fuligem ficaria nas partes internas do motor, propiciando a formação de borra. Portanto, basta seguir o intervalo recomendado pelo fabricante para a troca de óleo para agir corretamente.

Como a prevenção sempre é a melhor solução, estejamos sempre atentos aos cuidados indicados acima para evitar a formação de borra no motor.


Opine agora e ajude-nos a melhorar ainda mais o OPC

Recentemente completamos um ano da criação do OPC (ÓleoParaCarros.com.br) e estamos reunindo esforços para melhorar ainda mais o nosso site. Ajude-nos preenchendo o questionário abaixo. O tempo estimado é de 5 minutos e o fornecimento do nome e e-mail para contato é facultativo.

Caso queira receber atualizações, assine nosso feed RSS, siga-nos no Twitter ou curta nossa página do Facebook. Todas as vezes que um novo artigo é publicado enviamos um recado por esses canais.

Em breve teremos também promoções exclusivas para nossos leitores assíduos, fique ligado!

Link alternativo para questionário.

[gform form='https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dEFJZkN3RmlQODhjWG8zd09lMnh2c1E6MQ#gid=0' confirm='http://oleoparacarros.com/formulario_recebido.html' style='ajax' class='mygform' legal='off' prefix='mygform-' br='on' title='on' maph1h2='on' email='on']

Controle de combustível, óleo e manutenção veicular com planilhas do Excel!

Planilhas de excel para controle do carro Recentemente apresentamos dois aplicativos para o celular contendo Android que facilitam a vida na hora de programar a manutenção veicular e/ou avaliar os gastos com combustível: o “Carango” e o “Car Maintenance Reminder“.

Mas e quem não possui celular smartphone, como fica?? Nossa sugestão é fazer o gerenciamento via Excel!

1- Planilha para controle de óleo, combustível e manutenção do OPC

Planilha de controle OPC

 

Porém, até onde sabemos, não existe disponível na internet uma planilha de Excel que forneça opções para o controle de gastos de usuários comuns com o óleo de motor, combustível e também a manutenção veicular.

Resolvemos juntar esforços e criar a mais completa possível, para facilitar a vida das pessoas a controlar os gastos do veículo.

Nela é possível:

  • Cadastrar um motorista e um veículo, postos de combustíveis, o tipo de combustível consumido, e estabelecimentos e serviços de troca de óleo e manutenção veicular
  • É possível visualizar e comparar os diferentes meses e anos acompanhados
  • Todos os cálculos são feto automaticamente, oferecendo tranquilidade ao usuário
  • Os dados são apresentados em forma de tabela, gráficos ou num formato de relatório.

Ao se cadastrar os postos de gasolina e os tipos de óleos que você utiliza, é possível ter uma idéia para onde está indo seu dinheiro. Observando-se o desempenho do veículo ao longo do tempo pode ser possível detectar momentos em que o veículo está apresentando problemas. Uma alteração muito drástica na performance pode significar um alerta e o usuário será conduzido a tentar entender o que está fazendo o carro gastar mais.

Sua utilização é simples e permite o usuário incorporar as principais características do veículo bastando apenas tomar o cuidado de anotar as informações requeridas todas as vezes que efetuar um abastecimento, trocar de óleo e fizer manutenção no veículo.

Existe apenas uma limitação da utilização da planilha: é necessário a versão 2007 ou superior do Microsoft Excel. O uso é livre.

Além disso, existem na internet outras planilhas prontas para controle APENAS de combustivel, inclusive para manutenção de frotas! Confira abaixo nossas sugestões.

2- Planilha para controle de combustível

1.1 frota de veículos versão 2.0

1.2 frota de veículos versão 1.0

Principais características:

  • Cadastro de postos de combustíveis, motoristas e do tipo de combustível consumido (Álcool, Diesel, Gasolina, GNV, outros)
  • Cadastro da kilometragem na saída e no retorno do motorista. A diferença é calculada automaticamente.
  • É exibido o total gasto no mês, a média semanal e diária do consumo em litros e em reais.
  • Relatório do total gasto em cada posto cadastrado
  • Relatório anual contendo informações sobre o total gasto por combustível, em litros e em reais, mensalmente, semanalmente e diariamente.
  • Possibilidade de cadastrar 20 veículos e 20 motoristas.
  • A versão 1.0 é bem mais siples e permite o cadastro de um número menor de postos e veículos, mas é mais fácil de usar. Boa para iniciantes em excel.
  • Para maiores esclarecimentos, visitar site do autor: Edson Souza [link]
  • Existem até mesmo softwares dedicados para controle de frota de veículos, vale a pena conferir [link]

1.3- com frota de veículos mais simples

  • Planilha simples, boa para quem não conhece muito de excel.
  • Permite consolidar os dados por veículo.
  • Não permite consolidar por posto de gasolina, apenas por veículos.
  • Autor: Desconhecido [site]

Em caso de sugestões, dúvidas ou comentários, escrevam no campo abaixo ou escrevem um email para oleoparacarros@gmail.com.

Bons cálculos!!


Vazamento de Óleo do Motor

A prevenção é sempre o melhor negócio quando falamos de carros, em especial o nível de óleo. Vazamentos expressivos do motor podem constituir um verdadeiro inferno para os proprietários e gerar um elevado custo, caso não sejam corrigidos rapidamente.
Se você reparou que existem pequenas poças de óleo na sua garagem (principalmente após deixar o carro estacionado por um tempo, como na figura ao lado) ou se o nível de óleo baixa muito rapidamente mesmo após sua reposição ou se seu motor aquece muito rapidamente, FIQUE ATENTO! Muito provavelmente seu motor está perdendo óleo.
•    Possíveis Causas do vazamento de óleo
1.    A causa mais provável, e que deve ser descartada já no início, é o desgaste natural dos sistemas de vedação do motor. Independentemente se é de borracha, metal ou silicone esse material pode sofrer desgaste com o uso constante e diário do motor e passar a não efetuar mais a sua função de vedação de forma efetiva. Resultado: o motor passa progressivamente a perder óleo.
2.    Já as falhas no funcionamento do Retentor são mais raras e improváveis, mas podem também estar presentes. Essa estrutura basicamente mantém dois sistemas fechados: o interno, evitando que fluidos essenciais para o funcionamento do motor se percam (graxa, óleo e outros), e o externo, capaz de impedir que agentes lesivos ao motor (terra, poeira e outros) que não entrem no motor, pois afetaria seu desempenho.

•    Consequências
De imediato seu motor passa a ser menos lubrificado o que pode acarretar em perda de eficiência. Posteriormente pode ocorrer o acometimento direto do motor (grave!) que vai desde ressecamento de juntas, trincas por superaquecimento, até a perda completa do motor. Ou seja, uma baita dor de cabeça ocasionado pelo não cuidado de observar se há ou não uma simples “poçinha” de óleo na garagem.Muitas vezes o vazamento é pequeno e deve se estar atento para observar a poça de óleo.

•    Soluções
Contate sempre um profissional de qualidade e confiança, o diagnóstico do problema do seu carro é específico e somente ele poderá ajudá-lo. Não vale a pena brincar com uma situação dessas, exija peças de qualidade e SEMPRE originais, uma vez que o sistema de vedação é algo extremamente delicado, cujo funcionamento não é ideal quando se utilizam materiais de superfícies ásperas, com sobras e déficit na superfície de contato. Vazamento de óleo pode ser uma coisa séria e demanda cuidados.


Nova Categoria de óleos no mercado – API SN

MOBIL API SNA API adotou dois novos padrões de desempenho de óleo para veículos com motores a gasolina: ILSAC GF-5 e o API SN. Ambos representam o padrão mais recente de desempenho definidos pelo Comitê Internacional de Aprovação e Normalização de Lubrificantes (ILSAC), um esforço conjunto de fabricantes de automóveis dos EUA e do Japão. API SN chega como a nova categoria emitida pelo grupo americano API e promete maior controle de depósitos em alta temperatura e redução da fricção. Além da aprovação americana, conta também com aprovação européia ACEA A3B3 e A3B4.

Aqui no Brasil esse tipo de óleo já está sendo comercializado pela Mobil, com o nome de Mobil Super Sintético API SN, de viscosidade 5W40. Veja o vídeo promocional da Cosan abaixo.

O produto atende* as especificações das montadoras VW (502.00 / 505.00), BMW (Longlife Oil 01), Peugeot/Citroën (B71 2296), Mercedez Benz (MB-Approval 229.3) GM (GM-LL-B-025), Porshe (A 40) e Renault (RN0700/RN000710). Seu custo gira em torno de 30-40 reais (links 1 e 2 , por exemplo)

Além disso, os óleo da linha Mobil 1 passarão a ser também classificados como API SN, não mais como SM [link em inglês]. Navegando pela internet já é possível ver esse óleo sendo vendido com essa classificação (5w30, 0w30 e 0w40, por exemplo).

Para a maioria das pessoas, que não possuem carros que exigem essa exigente classificação de óleos, a boa notícia fica sendo a possibilidade de diminuição futura dos preços dos óleos da categoria SM, que já é de excelente qualidade.

Para os interessado, segue o documento com especificações técnicas detalhadas do óleo API SN [link]


Qual é o melhor óleo para seu veículo?

Mesmo os veículso mais antigos apresentam manual de instruções do proprietário com orientações sobre o óleo veicular.

Mesmo os veículos mais antigos apresentam manual de instruções do proprietário com orientações sobre o óleo veicular, o melhor óleo.

Muitas pessoas não ficam atentas e compram qualquer óleo lubrificante para seus veículos. Normalmente ou escolhem o mais barato ou aquele sugerido pelo frentista como o melhor óleo. Nós da OPC recomendamos que você utilize o óleo recomendado pelo fabricante do seu veículo!

Caso você não disponha do manual do usuário do seu veículo, recomendamos que visite o site da fábrica do seu veículo. Escolha abaixo a montadora que redirecionaremos você para a sessão onde são apresentadas a características de óleos adequadas para os respectivos veículos (sites oficiais). Note que nem todas motadoras apresentam essas informações de maneira direta. No site da Renault, essas informações estão na forma de perguntas/respostas por exemplo.

Em breve disponibilizaremos as informações de todos os veículos aqui no OPC. Assine nosso feed ou nos siga no tweeter para acompanhar as nossas novidades sempre.

No OPC você poderá entender quais as diferenças entre os tipos de óleos de motor existentes. Aproveite e dê uma olhada nos nossos outros artigos abaixo.

[lomadeewpro category='9825' keywords='óleo do motor acessórios pneu']